publicidade

publicidade
click aqui

sexta-feira, 27 de fevereiro de 2015

NOVELA: Bomba! José Pedro é o verdadeiro Fabrício Melgaço

Uma revelação bombástica será feita em "Império". O elenco recebeu o capítulo 200, que será exibido em 10 de março, e descobriu que José Pedro (Caio Blat) dirá que é Fabrício Melgaço. A revelação virá em conversa com Silviano (Othon Bastos), que o chamará por seu verdadeiro nome.

"Já te falei que nessas horas não tem nenhum José Pedro! Aqui, eu sou o outro: meu nome é Fabrício Melgaço!", fala ele, com raiva. O capítulo vai terminar com o diálogo entre o jovem e o ex-mordomo de Marta (Lília Cabral). A conversa acontece depois do casamento de Cristina (Leandra Leal) e Vicente (Rafael Cardoso). Zé Pedro vê Silviano no jardim da casa de Cláudio (José Mayer) tentando atirar no Comendador. O ex-mordomo não atira porque Marta está perto dele e ele teme errar. Sem saber que foi visto, Silviano vai ao hotel para conversar com Maurílio (Carmo Dalla Vecchia) e leva bronca. "Na boa? Você não podia ter feito isso... Foi na festa pra tentar matar o comendador de shit sem antes falar com a 'chefia'", alerta.


Silviano garante que não foi visto. Ele volta então para casa, mesmo com o filho insistindo para que fique no hotel, e dá de cara com Zé Pedro. "Vou direto ao ponto: você ia atirar no meu pai?", quer saber. Ele confirma. "Tomou uma atitude sem me consultar antes! Por acaso eu dei ordem pra fazer isso?", pergunta o rapaz. Os dois se encaram e Silviano pede desculpa. "Me perdoe, José Pedro", fala Silviano. José Pedro interrompe: "Já te falei que nessas horas não tem nenhum José Pedro! Aqui, eu sou o outro: meu nome é Fabrício Melgaço!".

Mais revelação

No capítulo seguinte, no dia 11, Lorraine (Dani Barros) vai até a porta do apartamento de Silviano. Ela vai olhar se a chave está embaixo do tapete e ouve o mordomo falando. "Tenho o direito de tomar minhas próprias decisões! Não sou seu empregado, muito menos seu capacho. E se decidi que durante o casamento seria uma boa hora pra acabar com a raça do seu pai". Zé Pedro interrompe. "Devia ter me consultado antes!... Só aceitei entrar nessa com você e o Maurílio porque ficou decidido que eu é que comandaria tudo!". "E nós continuamos aceitando isso!", diz Silviano.

Lorraine resolve bater na porta, mas para ao ouvir Silviano alterado. "Mas você há de convir, meu caro José Pedro", diz o ex-mordomo que é cortado pelo rapaz de novo: "Já falei pra me chamar de Fabrício Melgaço!". Ela fica chocada com a revelação. "José Pedro, Fabrício Melgaço, o que seja: nem sempre suas decisões foram as mais certas! Aquela história de roubar os quatro pedaços do diamante cor-de-rosa pra depois vender", fala Silviano. Zé Pedro diz que esse era o único de segurar Danielle (Maria Ribeiro). "Da mesma forma que ele iria pras cucuais se você atirasse no meu pai lá na festa e depois fosse preso. Na tua idade, Silviano?! Você acha que ia aguentar a pressão de um interrogatório na polícia?", questiona.

Acompanhe aqui o resumo das novelas

Zé Pedro fala que ele ia acabar entregando todo o esquema. "Ia dizer que sou eu quem está por trás de tudo de ruim que aconteceu com a minha família... E que estou manobrando pra ser o único dono da Império!", afirma. "Você acha mesmo que eu ia dar com a língua nos dentes se fosse preso?!", pergunta Silviano. "Tenho certeza!", responde. Silviano se revolta: "Eu me fingi de mordomo de sua mãe durante anos! Fui eu quem te alertou para os planos do teu pai de tornar a Maria Clara a herdeira da coroa, lembra, quando ele levou ela no monte e te deixou pra trás feito um peso morto... E mal te alertei, você foi logo fazendo besteira, saiu correndo pra pedir ajuda à sua mãe lá em Petrópolis...", diz ele, lembrando do atropelamento do irmão de Lorraine.

A discussão continua e o ex-mordomo lembra que foi ele quem o trancou na sauna. Zé Pedro diz que não vai mais brigar e que quem dá as ordens é ele. "Destruir meu pai é privilégio meu, Silviano, e eu não abro mão dele... Por isso, fica na tua, trata de me consultar a cada passo e sempre obedecer às minhas ordens... E no fim tudo vai dar certo, eu vou ser o Imperador, o seu filho Maurílio a segunda pessoa no Império e você o meu conselheiro", garante.


Redação do Correio 24 Horas

quinta-feira, 26 de fevereiro de 2015

Desembargador derruba decisão de juiz sobre suspensão de WhatsApp no Brasil


Publicada em

26/02/2015 às 17h25

Desembargador derruba decisão de juiz sobre suspensão de WhatsApp no Brasil

O juiz disse que o WhatsApp agiu de forma arrogante ao pedido de colaboração com a Justiça brasileira para justificar o pedido de suspensão do aplicativo em todo o país

Redação Correio 24h

O juiz disse que o WhatsApp agiu de forma arrogante ao pedido de colaboração com a Justiça brasileira para justificar o pedido de suspensão do aplicativo em todo o país. O desembargador Raimundo Nonato da Costa Alencar, do Tribunal de Justiça do Piauí (TJ-PI), derrubou nesta quinta-feira (26) a decisão do juiz Luiz Moura Correia, que suspendia o uso do aplicativo WhatsApp em todo o Brasil.



O juiz, da Central de Inquéritos da Comarca de Teresina, no Piauí, havia feito o pedido após afirmar que o WhatsApp desrespeitou decisões judiciais de pedidos de identificação de usuários que violam crimes no país.

O juiz disse em entrevista nesta quinta-feira (26) ao G1 Piauí que o WhatsApp agiu de forma arrogante ao pedido de colaboração com a Justiça brasileira para justificar o pedido de suspensão do aplicativo em todo o país. 

Ao pedido para colaborar com investigações iniciadas em 2013, a empresa teria informado que só poderia revelar informações caso a Justiça brasileira utilizasse o acordo de cooperação jurídica internacional. "Isso foi feito através do Ministério da justiça e mesmo assim nada foi repassado à polícia”, contou o juiz ao G1 Piauí.

O juiz disse que o WhatsApp agiu de forma arrogante ao pedido de colaboração com a Justiça brasileira para justificar o pedido de suspensão do aplicativo em todo o país

O juiz pede que a suspensão seja direcionada "aos domínios whatsapp.net e whatsapp.com, bem como todos os seus subdomínios e todos os outros domínios que contenham whatsapp.net e whatsapp.com em seus nomes e ainda todos números de IP (Internet Protocol) vinculados aos domínios já acima citados".

O pedido para retirar o aplicativo do ar é do dia 11 de fevereiro. As operadoras de telefonia móvel receberam mandado judicial para retirar o serviço. Para o Sindicato Nacional das Empresas de Telefonia e de Serviço Móvel Celular e Pessoal (SindiTelebrasil), a decisão é desproporcional e pode causar um enorme prejuízo a milhões de brasileiros que usam os serviços, "essenciais em muitos casos para o dia a dia das pessoas, inclusive no trabalho”.

A entidade diz ainda que após ter pedido de informações de um número reduzido de pessoas negadas pela proprietária do Whatsapp, decidiu-se suspender o serviço em todo o país. “E para isso, exigir a aplicação dessa medida das prestadoras de telecomunicações, que não têm nenhuma relação com o serviço”, informou o sindicato.

De acordo com nota divulgada pela Secretaria de Segurança Pública do estado, a ordem foi expedida por causa de descumprimento de decisões judiciais anteriores por parte do provedor de aplicação de internet Whatsapp. Os processos judiciais que originaram a medida tiveram início em 2013. O caso partiu de investigação da Polícia Civil, foi levado ao Ministério Público do estado e à Justiça.

A delegada Kátia Esteves, responsável pela Delegacia Especializada de Proteção à Criança e ao Adolescente da Polícia Civil, designada para chefiar as investigações, disse, em entrevista à imprensa, que é possível que o aplicativo seja retirado do ar. Durante a entrevista, a delegada não confirmou se a decisão judicial está relacionada à exposição da imagem de crianças e adolescentes na rede social. De acordo com Kátia, como o processo corre em segredo de Justiça, ela não pode dar nenhuma informação adicional sobre o inquérito.





quarta-feira, 25 de fevereiro de 2015

Juíz determina que Whatsapp seja retirado do ar no Brasil

                                   
                                                                        Foto: Reprodução

O Whatsapp – aplicativo de mensagens instantâneas – pode sair do ar no Brasil. De acordo com a coluna de Felipe Patury, da Época, o juiz Luiz Moura Correia, da Central de Inquéritos da Comarca de Teresina (PI), determinou que uma empresa de telefonia "suspenda temporariamente até o cumprimento da ordem judicial (...), em todo território nacional, em caráter de urgência no prazo de 24 horas após o recebimento, o acesso através dos serviços da empresa aos domínios whatsapp.net e whatsapp.com, bem como todos os seus subdomínios e todos os outros domínios que contenham whatsapp.net e whatsapp.com em seus nomes e ainda todos números de IP (Internet Protocol) vinculados aos domínios já acima citados". A decisão do magistrado diz ainda que a empresa de telefonia deve "garantir a suspensão do tráfego de informações de coleta, armazenamento, guarda e tratamento de registros de dados pessoais ou de comunicações entre usuários do serviço e servidores da aplicação de trocada de mensagens multi-plataforma denomidada Whatsapp, em que pelo menos um desses atos ocorra em território nacional". O processo corre em segredo de Justiça. A empresa luta para cassar a decisão, tomada pelo juiz Luiz Moura Correia em 11 de fevereiro, antes de ser obrigada a cumpri-la. A empresa de telefonia foi comunicada da decisão de Moura Correia em 19 de fevereiro por meio de um ofício do delegado Éverton Ferreira de Almeida Férrer, do Núcleo de Inteligência da Secretaria de Segurança Pública do Piauí.

Lula pede que Dilma Rousseff 'levante a cabeça' em discurso

                       
                                                     Foto: Ricardo Stuckert/ Instituto Lula

Em um ato precedido por confronto entre militantes petistas e defensores do impeachment da presidente Dilma Rousseff (PT), o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva partiu nesta terça-feira (24) em defesa de sua afilhada política após um dos períodos mais longos de afastamento entre os dois. Para o petista, a presidente "não pode dar trela" e deve "levantar a cabeça"ante as investigações do esquema de corrupção na Petrobras. "A nossa companheira Dilma Rousseff tem que deixar o negócio da Petrobras para a Petrobras, a corrupção para o ministro da Justiça ou para a Polícia Federal. A Dilma tem que levantar a cabeça e dizer eu ganhei as eleições", afirmou Lula no evento convocado pela Central Única de Trabalhadores (CUT) e Federação Única dos Petroleiros (FUP) em defesa da estatal, realizado na sede da Associação Brasileira de Imprensa (ABI), no centro do Rio. "Dilma não pode e não deve ficar dando trela, se não a gente fica paralisado", acrescentou. A presença do ex-presidente no evento é sinal de sua volta ao pelotão de frente na defesa do governo. Desde a reeleição, Dilma tem amargado derrotas no Congresso, o que acendeu o sinal amarelo no Palácio do Planalto. Para tentar reverter o placar desfavorável, a presidente buscou se reaproximar de Lula após mais de dois meses sem um encontro privado com o padrinho político. No último dia 12, os dois conversaram reservadamente em São Paulo. Embora organizada por apoiadores do PT e do governo, a manifestação também atraiu dezenas de militantes contrários ao partido. Por isso, meia hora antes do horário previsto para o início do ato, já havia um clima de confronto entre os dois grupos. Segundo a Polícia Militar, cerca de 500 manifestantes se concentravam no início da noite na Avenida Araújo de Porto Alegre, no centro, que teve o trânsito fechado. Enquanto uns xingavam Dilma e clamavam pelo impeachment dela, os defensores do governo diziam que a oposição era "a escória do País". Houve discussões acaloradas e até ovos foram lançados. Em outro momento, um grupo de manifestantes gritava "Olê, olê, olá, Lula, Lula", outros ativistas faziam coro: "Lula ladrão, Lula ladrão".

Carreteiro foi preso por furtar Diesel de sua carreta

Imagem da web 

 Na tarde desta segunda-feira (24), um carreteiro foi preso no Posto Travessão pela Polícia Militar sob acusação de furto de óleo Diesel. A polícia chegou ao acusado após receber um telefonema do próprio motorista,  informando que tinha sido roubado.
Segundo informações o motorista  vendeu o óleo Diesel, da carreta que trabalhava para usar droga. E depois deu queixa de roubo, para que imprensa mandasse o dinheiro para colocar óleo Diesel na carreta mais a casa caio.

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Ministério da Justiça quer saber como é feito bloqueio de acesso à Internet após esgotamento da franquia de dados

Resultado de imagem para operadoras de celular



As operadoras de telefonia móvel Vivo, Claro, Tim e Oi terão que prestar esclarescimentos ao Ministério da Justiça sobre o bloqueio de acesso à Internet após o esgotamento de franquia de dados para os consumidores do Serviço Móvel Pessoal. Elas foram notificadas nesta segunda-feira pelo Departamento de Proteção e Defesa do Consumidor da Secretaria Nacional do Consumidor (Senacon/MJ).

De acordo com o ministério, foram solicitadas informações sobre a forma de bloqueio do acesso à Internet após o esgotamento da franquia de dados, comunicação prévia aos consumidores, alterações contratuais e técnicas envolvidas, entre outros questionamentos, que irão auxiliar na investigação preliminar do assunto, a fim de se verificar se todos os direitos e garantias dos consumidores afetados estão sendo respeitados.

As operadoras notificadas terão o prazo de até dez dias para prestar os esclarecimentos à Senacon.

Aposentadoria vai mudar




Os brasileiros vão ter que trabalhar mais tempo para se aposentar. Por outro lado, vão receber o benefício integral e não mais reduzido pelo Fator Previdenciário — que provoca até 40% de perdas — caso a proposta defendida pelo ministro da Previdência, Carlos Gabas, seja aprovada. O titular da pasta retomará a iniciativa, que conta com apoio de centrais sindicais e parlamentares no Congresso, para acabar com o fator no cálculo das aposentadorias do INSS. Ele defende a troca do atual sistema, que tem como base a expectativa de vida do trabalhador pela chamada Fórmula 85/95. 

O novo critério considera a soma da idade do segurado com o tempo de contribuição, no caso de 85 pontos para mulheres e de 95, para homens. Cada ano de contribuição e de idade corresponderiam a um ponto nessa conta. 

“No momento certo em que a discussão vier (o fim do fator), eu defendo somar idade e tempo de contribuição”, afirmou Gabas, ressaltando que o fator não cumpriu papel de retardar aposentadorias por tempo de serviço, apesar de reduzir valores na concessão. 


Para o ministro Carlos Gabas, fator que reduz benefícios para quem se aposenta cedo não cumpriu o papel de retardar os pedidos por tempo de serviçoFoto: Divulgação

Adeclaração do ministro animou sindicalistas e parlamentares. Ela foi bem recebida pelo presidente da Força Sindical, Miguel Torres, que tem participado das discussões com o governo que resultaram na edição das Medidas Provisórias 664 e 665. Essas MPs modificam as regras da concessão de seguros-desemprego, pensão por morte, auxílio-doença e abono salarial. 

“Temos reunião na quarta-feira (amanhã) para tratar da rotatividade de mão de obra. Eu topo inverter a pauta e tratar do fim do fator antes. A discussão é antiga. Foi travada no Fórum da Previdência em 2007. Mas não houve acordo na época”, lembrou Torres. 

O deputado federal Arnaldo Faria de Sá (PTB-SP) defendeu a votação do PL 3.299/08 no plenário da Câmara que prevê a substituição do fator pela Fórmula 85/95. De autoria do senador Paulo Paim (PT/RS), o projeto foi aprovado em 2008 no Senado e seguiu para a Câmara. Passou pelas comissões e desde novembro de 2009 aguarda para ser analisado em plenário. 

“O governo não deixou o projeto andar mais desde que veio para a Câmara. Mas agora, com a posição do ministro da Previdência, temos que retomar a pressão para votá-lo”, afirmou o deputado. Levantamento feito pelo DIA mostra que mais de 90 requerimentos para votação em plenário foram feitos por diversos deputados de partidos diferentes desde novembro de 2009 e fevereiro deste ano. Mas nenhum foi aprovado. 

Segundo o ministro, o foco do governo Dilma atualmente é aprovar as MPs 664 e 665, que enfrentam resistência de partidos de oposição, das centrais e da base no Congresso. E por isso haverá esforço para convencer toda a sociedade sobre a necessidade de aprová-las. Ele defende não ser possível arcar com benefícios com o aumento da expectativa de vida dos brasileiros.

Demonstrativos de IR estão disponíveis na internet 

Aposentados e pensionistas do INSS já podem começar a juntar documentos para fazer a declaração do Imposto de Renda. O Ministério da Previdência liberou o acesso ao demonstrativo do IR ano-base 2014 no site da pasta (previdencia.gov.br). 

Os bancos vão enviar 6,2 milhões de documentos para a casa de aposentados que precisam acertar as contas com o Fisco em 2015. O documento também pode ser retirado em terminais de autoatendimento das instituições financeiras e nas agências da Previdência. 

Mesmo quem é isento de declarar os rendimentos também pode acessar o comprovante anual de pagamentos. Ao entrar na página na internet, o segurado deve ir em Agência Eletrônica e depois clicar no símbolo do Leão do Imposto de Renda, informar o ano-base, número do benefício, data de nascimento, nome do beneficiário e CPF. Não é necessário o uso de senha. 

Estão obrigados a declarar contribuintes que receberam mais do que R$ 26.816,55 em 2014. O prazo de entrega vai de 2 de março a 30 de abril.


COMO FICA

NOVO MODELO


A Fórmula 85/95 consiste em somar a idade do trabalhador com o tempo de contribuição para o INSS.


MULHERES 



No caso das mulheres, o resultado final teria que ficar em 85. Ou seja: a cada ano de contribuição e ano de idade acumularia um ponto cada até chegar aos 85 pontos. A aposentadoria do INSS seria integral.


EXEMPLO PARA ELAS 


Uma trabalhadora com 30 anos de recolhimento mensal para o INSS e 55 anos de idade teria os 85 pontos necessários para requerer a aposentadoria por tempo de contribuição à Previdência Social.


HOJE PARA MULHER 


Atualmente, as mulheres precisam completar 30 anos de contribuição para o INSS e poder se aposentar, independentemente da idade. Mas sofrem a incidência do Fator Previdenciário, que reduz o valor da aposentadoria em até 40% se ela for mais nova.


PARA OS HOMENS 


O raciocínio funciona da mesma forma para os homens. Só que no caso deles é preciso completar 95 pontos no total. Ou seja: a cada ano trabalhado e ano de contribuição é feita a soma até atingir 95. O benefício passaria a ser integral para os trabalhadores.


EXEMPLO PARA ELES 


Um trabalhador com 58 anos de idade e 37 de contribuição atingiria os 95 pontos para se aposentar.


COMO É HOJE 


No caso dos trabalhadores, atualmente, eles precisam descontar durante 35 anos para o INSS, levando em conta o fator no cálculo do benefício.