publicidade

publicidade
click aqui

quinta-feira, 28 de maio de 2015

Câmara aprova fim da reeleição para presidente, governador e prefeito

1432781094_364769_1432781227_noticia_normal-e1432803922364

Em votação na noite desta quarta-feira (27), a Câmara Federal aprovou, por 452 votos a favor e 19 contra, o fim da reeleição para mandatos executivos – presidente da República, governadores e prefeitos. Houve ainda uma abstenção. A votação faz parte do pacote de reforma política em discussão no Legislativo, a PEC 182/2007. O texto aprovado é de autoria de Rodrigo Maia (DEM-RJ), e prevê transição. O fim da reeleição não se aplicará aos governadores eleitos em 2014 e aos prefeitos eleitos em 2012, nem a quem os suceder ou substituir nos seis meses anteriores à eleição seguinte. Dilma Rousseff, reeleita em 2014, já não poderia se candidatar ao cargo em 2018. Todos os partidos votaram em maioria a favor da emenda que acaba com a reeleição. O partido com maior número de votos contra o fim da reeleição foi o Democratas, com cinco votos ‘não’ de um total de 20 parlamentares. PT e PMDB, principal aliado na bancada governista, tiveram três votos contra a emenda cada um. Outros três votos contra vieram de deputados do PTB. O texto ainda será votada em 2º turno na Câmara e depois segue para o Senado. (Uol)

terça-feira, 26 de maio de 2015

Alunos da faculdade de Itabuna interditada a Ba 001 Rodovia Camamu X Itubera.

Informações: Camamu Net


Estudantes universitários Camamuense, protestam contra a falta e má qualidade do transporte.

Prefeitos reclamam de exclusão na votação da reforma política na Câmara Federal

Foto: Divulgação/ UPB


Canceladas as atividades da Comissão Especial da Reforma Política, os prefeitos que participam da Marcha de Brasília estão apreensivos sobre a votação do projeto, agendada para esta terça-feira (26), com um novo relator. A expectativa dos gestores municipais é que houvesse uma discussão sobre o tema antes da apreciação no plenário do legislativo. O presidente da Câmara dos Deputados, Eduardo Cunha, disse que a decisão de não votar a reforma política na comissão especial não foi tomada por ele, mas pelos líderes partidários. “A comissão especial tem uma representatividade que não expressa a proporcionalidade do plenário, e o objetivo é que tudo seja votado”, disse. De acordo com a presidente da União dos Municípios da Bahia (UPB), Maria Quitéria (PSB), o receio é que os deputados votem o projeto com o mandato tampão de 2 anos, entre 2016 e 2018, sem o debate com os prefeitos. “Assim como os agentes comunitários de saúde, os professores, todos aqueles envolvidos nas votações sempre tiveram o direito de entrar no plenário. Como é que agora os prefeitos, os líderes políticos locais, os vereadores não podem ter acesso ao local de votação de uma matéria que vai diretamente estar ligada ao município e a uma situação que vai impactar no próximo ano nas próximas eleições”, lamentou Quitéria. “Eu acho que é, não só um autoritarismo, mas uma falta de respeito com os líderes locais que vieram para a Marcha para opinar”, criticou a dirigente.

Doença misteriosa é identificada

 



Sintomas semelhantes à dengue têm acometido diversos moradores de Camaçari, Salvador, Feira de Santana e outros municípios

Matéria originalmente publicada pela FAPESB: Doença misteriosa é descoberta por pesquisadores baianos com apoio da Fapesb.

Os pesquisadores Gúbio Soares e Silvia Sardi, do Instituto de Ciências da Saúde da Universidade Federal da Bahia (UFBA), descobriram um novo vírus que vem causando sintomas semelhantes aos da dengue e assustando a população baiana. O Zika Vírus foi identificado esta semana em amostras de sangue de pacientes de Camaçari, por meio de uma técnica chamada RT-PCR. A descoberta foi possível graças ao apoio da Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado da Bahia (Fapesb) que disponibilizou recursos através do Programa de Apoio à Pesquisa para o SUS (PPSUS).

Segundo Gúbio, o Zika Vírus causa um quadro muito parecido com o da Dengue, em que o paciente pode apresentar sintomas como febre, diarreia, dores e manchas no corpo. Porém, este novo vírus é mais fraco e os sintomas mais brandos: “Zika Vírus não é tão grave quanto Dengue ou Chikungunya, não leva o paciente à morte. O quadro parece alérgico, é mais tranquilo e o tratamento é o mesmo”, explica o pesquisador. Além destes sintomas, o paciente pode apresentar sinais de conjuntivite.

O Zika Vírus nunca foi detectado no Brasil ou na América Latina. Esta é uma descoberta inédita, muito importante para o país em termos científicos, mas também para tranquilizar a população: “Quando você dá um diagnóstico, o paciente já vai mais tranquilo para o hospital”, diz Gúbio. “É muito importante para nosso grupo ter descoberto este vírus pela primeira vez no Brasil, e isso graças ao apoio da Fapesb.”

O Zika Vírus é transmitido pela picada do mosquito aedes aegypti, aedes albopictus e outros tipos de aedes.



Por: Lorena Bertino – Ascom/Fapesb

quinta-feira, 21 de maio de 2015